endometriose

Relação da infertilidade com endometriose

A endometriose é uma das doenças que atinge muitas mulheres e causa temor não somente pelos sintomas, mas também pelo planejamento futuro que o problema pode vir a interferir em uma estrutura familiar.

A doença é causada quando o endométrio, que é o tecido que reveste a parede interna do útero, dissemina-se por outras regiões que não o seu originário. Esse tecido é a parte mais interna do útero, o mesmo que abriga o embrião para que o mesmo desenvolva-se durante uma gravidez, principalmente em seu período inicial.

Além de entender porque a endometriose dói, muitas mulheres estão em busca da relação de infertilidade com a endometriose. Estudos são frequentemente realizados para entender a relação entre a impossibilidade de engravidar com o desenvolvimento do problema, com diversas mudanças que são geradas no processo de fertilização ou transporte dos óvulos por conta da doença.

Fatores da endometriose que afetam a fertilidade feminina

1. É necessário verificar qual o tipo de endometriose detectada na paciente para que seja possível indicar em qual nível isso afetará na concepção na geração de um bebê. Há a endometriose superficial, conhecida como endometrioma ou ovariana, além da infiltrativa profunda, diferenciando-se pelo local onde encontra-se e tamanho, classificada de acordo com a gravidade.

2. Ainda que a endometriose possa causar dor em muitas pacientes, algumas apresentam o problema sem indicar qualquer desconforto. Os sintomas mais encontrados são fortes cólicas principalmente no período que antecede a menstruação e desconforto durante as relações íntimas. Com a identificação desses sintomas, é necessário procurar um especialista para que indique qual o tipo de endometriose e se a mesma poderá interferir na fertilidade.

3. Há diversos estudos que ainda são realizados para relacionar a infertilidade de algumas mulheres com casos de endometriose. Quando a doença afeta os órgãos pélvicos, por conta de cistos mais expansivos ou até mesmo por conta de aderências, isso faz com que a infertilidade seja mais provável.

4. Para os casos de endometriose que são verificados e constatados nas gravidades menores, com graus baixos e normalmente com tamanhos menores de cistos, ainda não há comprovações que a doença causa infertilidade, porém estudos indicam que de qualquer modo há alterações no sistema imunológico, o que poderá afetar no processo de fecundação, impedindo transporte de óvulos, espermatozoides ou embriões. O comprometimento de uma gravidez nesses casos mais amenos é incerto e pode variar de acordo com cada paciente.

5. O tamanho dos cistos é possível ser identificado por meio da realização de um ultrassom, porém é necessário confirmar a doença por meio de exames mais específicos e que solicitem uma biópsia para afirmação da endometriose em si. O acompanhamento também pode ser feito por meio do ultrassom, verificando periodicamente, de acordo com o especialista responsável, o desenvolvimento ou estagnação dos cistos.

6. Há tratamentos que podem auxiliar as mulheres que desejam engravidar e apresentam a doença. O procedimento de Fertilização in Vitro (FIV) é um dos mais comumente indicados para as pacientes interessadas, permitindo que sejam retirados os ovócitos, que são as células produzidas nos ovários, responsáveis pela fertilização, induzindo-as diretamente para contato com os espermatozoides, obtendo a fertilização e disponibilizando o embrião para o útero da mulher. A eficácia do tratamento pode depender da idade da paciente.

Deixe um comentário