Queda Capilar: Conheça seus tipos, causas e tratamentos

A queda capilar é um problema que afeta tanto homens quanto mulheres e meche diretamente com a autoestima. Basta entrar em uma loja de cosméticos para encontrar uma infinidade de produtos que dizem combater a queda. Mas, será que eles realmente funcionam? A resposta é: depende.

É impossível afirmar com certeza se um shampoo, por exemplo, será suficiente para combater a sua queda capilar, visto que existem diversas causas que podem motivar ou agravar o problema. Cada uma delas exige cuidados e tratamentos distintos, logo, é importante analisar caso a caso para entender a situação. Quer saber mais sobre isso? Confira o artigo na íntegra.

O que é queda capilar?

Pentear os cabelos e ver aquele monte de fios presos ao pente é algo que assusta qualquer pessoa. Saiba que este é um problema comum, que atinge milhões de pessoas em todo o mundo, sem distinção entre homens e mulheres. De fato, os homens são mais acometidos pelo problema, por motivos em sua maioria hormonais e genéticos, mas mulheres também podem sofrer com o mesmo mal.

A queda capilar caracteriza-se pelo desprendimento dos fios do couro cabeludo. Ao longo deste artigo você irá notar que existem diversos motivos que podem causar a queda, mas, antes de mais nada, é preciso se certificar que este é realmente o seu problema.

Muitas pessoas confundem quebra e queda, e com isso acabam investindo em tratamentos errados, consequentemente, sem resultados. Quando o cabelo está se quebrando, você poderá notar que eles são menores do que o comprimento normal do seu cabelo. Mas, se o tamanho dos fios caídos for do mesmo tamanho que o seu cabelo, trata-se de queda. Se você notar aquele pequeno pontinho branco preso a raiz do cabelo, este também é um sinal claro de queda.

Quais são os tipos de queda existentes?

A queda de cabelo deve ser classificada em normal ou anormal. Apesar do susto imediato da maioria das pessoas ao notar a perda, especialistas afirmam que é completamente normal que percamos de 100 a 150 fios de cabelo por dia. Pode parecer muito, mas, acredite, não é nada perto ao total de fios que temos no couro cabeludo.

Isso acontece, pois, o cabelo, assim como os pelos nas demais partes do corpo, possuem ciclos de vida. Enquanto uns estão nascendo, outros crescem e outros caem, finalizando o seu ciclo. Resumidamente, as fases são:

Anágena: É a fase ativa do fio, onde ele exerce o seu crescimento. Dura, em média, de 3 a 6 anos.

Catágena: Fase onde o fio começa a regredir/morrer. É bastante curta quando comparada as demais, durando apenas 3 semanas.

Telógena: Esta fase dura em média 3 meses. Nela, um novo fio começa a nascer, empurrando o fio morto e motivando a queda do mesmo.

Esse ciclo é superimportante, já que sem ele, ficaríamos completamente sem cabelos de tempos em tempos. Como os ciclos iniciam e terminam em tempos diferentes, as madeixas conseguem manter-se sempre renovadas e saudáveis. Portanto, se você nota alguns fios ao pentear, lavar ou fazer coisas rotineiras, dentro desta quantidade, não precisa se preocupar.

Mas, existe também a queda anormal, onde o volume de fios perdidos ultrapassa este número. A depender a causa, o eflúvio pode ocorrer eu maior ou menor grau. Em casos mais graves pode ocorrer até mesmo a ausência total dos fios.

Quais fatores motivam ou agravam a queda capilar?

Para entender melhor os motivos que geram ou agravam a queda de cabelo, é preciso analisa-las individualmente. É importante ressaltar que a automedicação pode até mesmo agravar o problema. Então, ao se identificar com qualquer um dos tópicos abaixo, procure um especialista imediatamente.

Dieta inadequada

Uma dieta inadequada pode ser o estopim para uma queda acentuada dos fios. A deficiência de proteínas, por exemplo, faz com que o corpo tente “economizá-las” ao máximo. Isso faz com que os fios que estão na fase anágena (crescimento) passem rapidamente para a telógena (morte), levando a queda em massa. É muito comum que isso aconteça com pessoas que praticam dietas demasiadamente restritivas.

A insuficiência de vitaminas, minerais e aminoácidos também é um fator que tem origem na alimentação, e seus efeitos podem ser notados nas madeixas. Não somente a queda é um sintoma, como também se nota cabelos e unhas opacos, fracos e quebradiços.

Anemia (deficiência de ferro)

A deficiência de ferro no sangue é outro motivo que favorece a queda capilar. Isso pode acontecer tanto pela baixa ingestão deste mineral, como também pela má absorção do mesmo pelo organismo. Em qualquer um dos casos, a detecção do problema pode ser feita através de um simples exame de sangue.

Mulheres que possuem ciclo menstrual muito longo e/ou intenso ficam mais propensas a desenvolver o problema. O mesmo pode ocorrer com as gestantes, já que na gravidez boa parte do ferro passa a ser destinado a formação do bebê.

Eflúvio telógeno

Eflúvio telógeno é o nome que se dá a perda repentina e acentuada dos fios de cabelo. Na maioria dos casos, o problema se manifesta após episódios de extremo estresse. Felizmente, a queda tende a cessar pouco tempo depois e os fios tornam a crescer normalmente.

Alopecia Areata

A alopecia areata é uma doença autoimune de causa desconhecida. De forma semelhante ao que ocorre com o Lúpus, neste tipo de alopecia o corpo identifica os folículos capilares como um corpo estanho e passa a ataca-lo, levando a queda. Sua principal característica é a ausência de pelos e fios em forma arredondada ou ovalada.

Sabe-se que fatores genéticos influenciam na possibilidade de ser acometido pela doença. Aspectos psicológicos do paciente e níveis de estresse muito elevados também podem ser causadores ou agravantes da mesma.

Alopecia Androgenética

Este tipo de calvície é mais comum entre os homens, mas, mulheres também podem ser vítimas do mesmo mal. A alopecia androgenética está diretamente ligada ao desequilíbrio hormonal, em especial a testosterona. A hereditariedade também é um fator de suma importância a esta doença. A parda de cabelo neste caso costuma ser irreversível, iniciando com o afinamento progressivo dos fios, até a ausência total dos mesmos.

Tratamentos para queda capilar

Conforme visto até agora, há diversos fatores que podem motivar a queda anormal dos fios de cabelo, para cada uma delas um tratamento é indicado. Antes de mais nada, é fundamental consultar um especialista para realizar alguns exames e identificar a causa do problema.

Em situações mais graves, onde a ausência de cabelos é irreversível, um transplante capilar pode ser mais indicado. Trata-se de um procedimento onde os fios saudáveis do próprio paciente são retirados das áreas não afetadas e implantados nas áreas calvas (clique aqui para saber mais). Isso garante a naturalidade e segurança ao paciente, que pode retomar suas atividades normais no dia seguinte.

Já em casos onde há deficiência de nutrientes, a suplementação com orientação médica pode ser suficiente para cessar e reverter o problema. Em muitos casos, a mudança de hábitos também é recomendada, visto que o tabagismo, a obesidade e o estresse podem piorar o quadro.

Sobre os shampoos anti-queda que mencionamos no início deste artigo, eles podem ser suficientes quando a causa do problema está relacionada apenas a oleosidade em excesso, por exemplo. Na maioria dos casos, a melhor opção é sempre optar pelo tratamento de dentro para fora.

Deixe um comentário